Segunda-feira, 17 de Abril de 2006

Quem morre?

 

                                                              Quem "Morre"? ...

 

«Morre lentamente quem não viaja, quem não lê, quem não ouve música, quem não encontra graça em si mesmo.

 Morre lentamente quem destrói o seu amor-próprio, quem não se deixa ajudar.

Morre lentamente quem se transforma em escravo do hábito, repetindo todos os dias os mesmos trajectos, quem não muda de marca, não se arrisca a vestir uma nova cor ou não conversa com quem não conhece.

Morre lentamente quem faz da televisão o seu guru.

Morre lentamente quem evita uma paixão, quem prefere o negro sobre o branco e os pontos sobre os "is" em detrimento de um redemoinho de emoções justamente as que resgatam o brilho dos olhos, sorrisos dos bocejos, corações aos tropeços e sentimentos.

Morre lentamente quem não vira a mesa quando está infeliz com o seu trabalho, quem não arrisca o certo pelo incerto para ir atrás de um sonho, quem não se permite pelo menos uma vez na vida fugir dos conselhos sensatos.

Morre lentamente, quem passa os dias queixando-se da sua má sorte ou da chuva incessante.

 Morre lentamente, quem abandona um projecto antes de iniciá-lo, não pergunta sobre um assunto que desconhece ou não responde quando lhe indagam sobre algo que sabe.

Evitemos a morte em doses suaves, recordando sempre que estar vivo exige um esforço muito maior que o simples facto de respirar.

Somente a perseverança fará com que conquistemos um estágio esplêndido de felicidade. »

 P. Neruda

 

 

 

rabiscado por Lisa às 16:00

link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De bapsi a 19 de Abril de 2006 às 16:55
Já conhecia.... mas gosto sempre de reler..... de maneira que foi um prazer encontrá-lo aqui no meio desta seara colorida.
De leitor/a a 19 de Abril de 2006 às 18:36
ola gosto muito do seu blog emmes, explica-me a natureza do seu nick

tens grande profundidade no teu ser

um beijo grande

angel
(lágrimas de amor)
De minizinha a 21 de Abril de 2006 às 11:01
Vive melhor quem te visita, aposto.
Respira-se vida, no teu canto, verdadeira pedrada no charco!!!
Sorrisos e beijokinhas da,
Bia
De Carla a 23 de Abril de 2006 às 19:45
Adoro este poema, emmicas. Pablo Neruda é sempre uma escolha genial. Está tão agradável este teu cantinho :)) Um beijo mimado.
De Renato Filipe Cardoso a 24 de Abril de 2006 às 23:09
Ai, ai, ai. Tenho uma lágrima no canto do olho, mas não estou a ouvir o Bonga... Gosto do teu conteúdo. E o do blogue está a condizer.

Beijinho.
De margarida_rr a 26 de Abril de 2006 às 20:08
Comadri...adoro Pablo Neruda. Conhecia mto bem este poema, mas por algum motivo, hoje tocou-me mais profundamente. Realmente, há que mudar, há que apostar, há que ir ao encontro dos sonhos, dos desejos...sem essa busca, sem esse arriscar, a vida é mesmo uma monotonia, uma morte lenta...Beijo grande pra ti! :o))
De Patupi a 26 de Abril de 2006 às 22:52
É um texto lindo e tão verdadeiro! Beijo doce, emmita linda!

Comentar post

.translate


.Caixinhas arrumadas

. Outubro 2013

. Março 2012

. Maio 2011

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

.jardins por onde passeio