Terça-feira, 27 de Junho de 2006

Chovia...

 

Naquela tarde, como chovia...
Lembro-me que a chuva caía
lá fora, sem parar,
e o seu surdo rumor até parecia,
um sussurro de quem chora,
ou uma cantiga de embalar...
Lembro-me que chegaste
inquieta, ansiosa,
e assim te aconchegaste
nos meus braços, quietinha...
enrodilhada qual gatinha...
E eu quase não sabia que fazer...
se, juntinho ao meu peito
te, deixava adormecer...
se te mantinha acordada,
para seres minha...
Lembro-me que chovia... chovia sem parar...
e que a chuva caía, turvando as vidraças
escurecendo o quarto com tons baços...
Lembro-me que te sentia
aconchegada nos meus braços...
Lembro-me que chovia...
e que era bom... porque chovia,
e que estavas ali,  e que eu te queria...
Sim, lembro-me que tudo era bom...
E que a chuva caía, caía,
monótona, sem parar, 
senpre no mesmo tom...
Naquela tarde, amor, como chovia...
Agora, longe de ti, já não sou eu,
só esta melancolia...
não posso ouvir a chuva cair...
faz-me lembrar aquele dia...
Aquele dia...
enquanto chovia...

 

. . / . .

(volta depressa ...)            Autor:   Manuel

 
rabiscado por Lisa às 04:23

link do post | comentar | favorito
|
7 comentários:
De bapsi a 27 de Junho de 2006 às 17:35
Lindo!!!
e mais não digo...

e em vez de um beijo desuntado..deixo uma careta ..nha nha nha :))))
De Carla a 27 de Junho de 2006 às 21:09
Aiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii... Um beijo enorme, Emmita linda :)
De minizinha a 28 de Junho de 2006 às 12:10
Tou aqui toda nonhinhas, até parece que me sinto a minha alma aconchegada, também (e sabe bem) !!!!

Lindo demais!!!

(junto a minha voz à tua, que volte muito depressa)

Chuaksssssssssssssssssssssss
De ferrus a 29 de Junho de 2006 às 07:58
muito bonito, parceirita , muito mesmo. até na melancolia a beleza das palavras existe. fica o doce das memórias :-) beijinhos grandes
De ferrus a 5 de Julho de 2006 às 10:59
Muito bonito, parceira, muito mesmo. A saudade escrita com alma e grande :-)
Beijinhos
De Renato Filipe Cardoso a 27 de Julho de 2006 às 02:24
"Lá fora está chovendo
Mas assim mesmo eu vou correndo
Só pra ver o meu amor.
Ela vem toda de branco
Toda molhada e despenteada
Que maravilha!
Que coisa linda que é o meu amor(...)"

Vinicius de Morais, poeta do Sol com chuva na alma

Belo poema o que publicaste. Vale sempre a pena revisitar-te.

Beijinhos,

hotmale.come
De _estrelinha_ a 22 de Setembro de 2006 às 11:53
ola, gostei muito deste poema por isso nao pude deixar de comenta-lo. vou passar mais x para veres o mais gostas de escrever. eu adora poemas tb escrevo alguns, esta muito giro, continua.
fica bem

Comentar post

.translate


.Caixinhas arrumadas

. Outubro 2013

. Março 2012

. Maio 2011

. Abril 2009

. Janeiro 2009

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Março 2008

. Janeiro 2008

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

. Junho 2005

. Maio 2005

. Abril 2005

. Março 2005

. Fevereiro 2005

. Janeiro 2005

. Dezembro 2004

. Novembro 2004

. Outubro 2004

. Setembro 2004

.jardins por onde passeio