Quarta-feira, 2 de Fevereiro de 2005

Acomodados, insensíveis ou indiferentes?

Entrei na sala de chat que por acaso até tem o nome de sala da Amizade…só por acaso.

Estando eu no meu habitual estado observatório do geral, vejo passar uma questão que dizia mais ou menos isto:
- Que diriam vocês a alguém, que mesmo tendo uma família que gosta bastante dele, e tendo o emprego que sempre quis ter, deseja adormecer e não voltar a acordar?
Fiquei atenta ás respostas… que não surgiram.
Engano-me! Passou uma:
- Uma cx de comprimidos para dormir, ingerida toda de uma vez, deve dar resultado!!!
Umas linhas mais abaixo vejo outra frase que passa:
- Obrigado à única resposta que obtive. Para as outras pessoas que não responderam, é sempre mais fácil deixar passar ao lado, fingir que não se vê que os outros sofrem , não é? Afinal de contas nem me conhecem mesmo….
Fiquei a pensar sobre isto, até porque quem o escrevia era uma pessoa com quem muitas vezes já sorri na sala.
Seremos realmente assim?
Tipo avestruz?
Acomodados ou indiferentes?
Insensibilidade(?)
O que nos torna assim?
rabiscado por Lisa às 04:29

link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De leitor/a a 10 de Fevereiro de 2005 às 01:22
Essa pessoa, coitada, devia ter ido à nossa sala. Tinha tido um ombro - ou vários - para se acolher. Enfim... há pessoas que não vêem nada, não é? Beijocas, emita!patupi
(http://www.100tretas.blogspot.com)
(mailto:skanevasse@faziassecaski.com)
De leitor/a a 4 de Fevereiro de 2005 às 05:36
Os meios urbanos de vasta população levam ao isolamento e individualismo. Os medos, as indiferenças, são fruto desse meio onde vivem. Tantos factores para isso contribuem. Socialogia! A ciência que poderá dar uma explicação mais lógica para este fenómeno. Acho-o vazio de conteúdo, mas que exixte...existe.
Bjitos, parceira!ferrus
(http://ferrus.blogs.sapo.pt)
(mailto:falcato.joao@clix.pt)
De leitor/a a 4 de Fevereiro de 2005 às 04:19
Espero que neste caso o sejam, emmita... Beijo grande.Carla
(http://papoilasdoces.blogs.sapo.pt/)
(mailto:cferreirapedro@sapo.pt)
De leitor/a a 3 de Fevereiro de 2005 às 11:19
Por alguma razão me despertou a atenção, afinal já são alguns momentos de chat (para não dizer muitos)e não é tão dificil assim separar um pretexto para meter conversa de um pedido de ajuda, basta ter alguma sensibilidade e estar atento aos outros...
Mas realmente continua a ser mais facil acharmos que possivelmente seria um só um pretexto para meter conversa....que assim seja!!!
(Na partilha de sorrisos destingue-se muitas vezes lágrimas escondidas)
Saí do meu casulo, perguntei... quem me dera que os meus sinais de alerta sejam enganosos.emmep
</a>
(mailto:emmep@sapo.pt)
De leitor/a a 3 de Fevereiro de 2005 às 04:45
Acho que andamos muito distraídos. Mas também é difícil separar numa sala de chat a fantasia da realidade. E talvez a prova disso é que a única pessoa que respondeu levou na brincadeira. Outros como tu terão ficado a pensar: mas que raio? Trocar sorrisos não chega para conhecer uma pessoa. Eu até podia pensar que seria uma manobra para ter conversa. É complicado. Todavia convém ir olhando para os sinais de quem nos rodeia.
1 abraço, lindaDali
(http://100dogmas.blogs.sapo.pt/)
(mailto:asdf@sdfg.pt)
De leitor/a a 2 de Fevereiro de 2005 às 13:38
São gritos de ajuda que muitas pessoas teimam em deixar passar ao lado, porque não lhes interessa, porque não faz rir, porque não lhes arranja namorados, porque sei lá o quê! Se for preciso ainda gozam, sem saberem que umas palavras podem fazer a diferença e impedir um suicídio. As pessoas estão tão interessadas no seu próprio umbigo, emmita, que tudo o que as faça terem que olhar para o dos outros não lhes interessa. Esta história deixou-me mesmo triste :( Beijo grande.Carla
</a>
(mailto:cferreirapedro@sapo.pt)

Comentar post